O que é?

A hiperplasia prostática benigna (HPB) é um tipo de crescimento natural da próstata. A uretra, canal que faz conexão entre a bexiga e o meio externo, tem uma porção que passa dentro da próstata. Quando esta cresce, a passagem da urina é dificultada e as vezes até bloqueada. Vale lembrar que a hiperplasia não tem relação com o câncer de próstata, por isso chamado de hiperplasia benigna. Além disso, com o passar dos anos, praticamente a maioria dos homens terão hiperplasia. Felizmente, ainda por motivos inexplorados, apenas alguns pacientes desenvolvem sintomas em maior intensidade, sendo os mais comuns:

  • Dificuldades para urinar.

  • Diminuição da força do jato urinário.

  • Gotejamento no final da micção.

  • Micção em dois tempos.

  • Desejo de urinar durante a noite.

  • Necessidade de urinar várias vezes durante o dia.

Esses sintomas se iniciam, geralmente, a partir dos 50 anos de idade e se tornam mais intensos depois dos 60 anos. Acomete mais da metade dos homens acima de 70 anos de idade.

Prostata.png

Qual o tratamento?

Um dos tratamentos para essa condição é a embolização das artérias prostáticas (EAP), realizado pelos médicos da NeoCure. Esse é um procedimento minimamente invasivo que visa melhorar os sintomas decorrentes da HPB.

Este procedimento é relativamente novo, foi realizado pela primeira vez em 2008, porém sua eficácia já pôde ser comprovada através de diversos estudos clínicos realizados no mundo inteiro, inclusive no Brasil.

Outros tratamentos incluem as medicações para aliviar os sintomas, a cirurgia de ressecção transuretral (RTU), cirurgia a laser transuretral e a prostatectomia radical.


Como é a EAP?

Esse procedimento é realizado sob anestesia local ou sob sedação anestésica. Isso quer dizer que, se necessário, o médico Anestesista pode aplicar medicações para relaxar e talvez até fazer o paciente dormir, mas num nível mais superficial, diferente da anestesia geral.

O tratamento é realizado com o paciente deitado em uma maca. Utilizamos o aparelho de angiografia, sob visualização de raio-X. Diferente da cirurgia aberta ou da RTU, não há cortes ou manipulação direta da da próstata. O acesso que usamos para realizar o tratamento é uma artéria, ou no nível da virilha ou do punho.

Através deste acesso, um pequeno cateter de 2 mm de espessura é utilizado para chegar próximo a próstata. Através desse cateter, são injetadas microesferas - pequenas partículas especialmente fabricadas de material inofensivo ao organismo do tamanho de pequenos de grãos de areia. Essas microesferas preenchem os vasos da dada próstata, com região da próstata, reduzindo sua circulação, levando ao encolhimento da próstata. É esperado que após a embolização haja redução do tamanho prostático e melhora dos sintomas.

Durante todo o procedimento, o médico radiologista intervencionista que realiza o procedimento permanece em sala junto com o paciente, protegido com aventais de chumbo, além de aventais e luvas estéreis, por se tratar de um procedimento invasivo.

Ao término do procedimento, o paciente permanece em observação hospitalar por algumas horas, na maioria das vezes sem necessidade de internação.

Algumas medicações precisam ser suspensas e outras iniciadas antes da realização do procedimento e o paciente deverá passar sob avaliação pré-anestésica. Todas as informações são fornecidas no momento do agendamento. Detalhes sobre indicações, contra-indicações, riscos e benefícios poderão ser fornecidas na consulta médica com um de nossos especialistas.


Onde se informar melhor?

Todas as informações são fornecidas no momento do agendamento. Detalhes sobre indicações, contra-indicações, riscos e benefícios poderão ser fornecidas na consulta médica com um de nossos especialistas.

Caso você ainda tenha mais dúvidas, entre em contato com nossa equipe através do link abaixo para agendar uma consulta. Nossa equipe conta com médicos especialistas na EAP e estamos prontos a ajudar e tirar suas dúvidas.